.:O que fazer pelos seus pneus

9 maneiras de evitar furos, conservar e aumentar a vida útil desses componentes sujeitos a pressão

Por Tadeu Matsunaga

Investir nos pneus — esses que podem ser seus parceiros por milhares de quilômetros — vale a pena. Mais que isso, é necessário. Cuidar bem deles, então, vale ainda mais. Não só pela possibilidade de bom desempenho nas competições que a conservação do material pode garantir, como, principalmente, para evitar a operação de reparo de um furo. Felizmente, existem alguns truques simples e úteis para reduzir a dor essa cabeça e oferecer uma vida longa ao seu amigo de pedal. Alguns são medidas preventivas. Outros, cuidados de segurança. Como estes nove aqui.

1) O olho do dono: Tenha o cuidado de inspecionar o pneu após cada giro. Repare no desgaste e não hesite em fazer a substituição quando observar um dano mais sério, como um rasgo, por exemplo. Evite o risco de o problema ficar irrecuperável na estrada. Posicione-o em um local bem iluminado, gire lentamente cada roda à procura de algum vestígio de dano ao pneu, como rachaduras, cortes ou furos nas laterais e na parte superior.

2) Mão na roda: Acredite, as luvas podem ser um aliado em uma primeira ação contra pedriscos ou pequenos metais. Esfregue a parte grossa da sua luva por todo o pneu. Com isso, você consegue soltar parte dos detritos acumulados sobre ele, mantê-lo limpo e reduzir a chance de um furo.

3) Amiga secreta: Existem fitas antifuro no mercado que devem ser colocadas entre a câmara e o pneu, agindo como uma barreira protetora. O uso de tais fitas aumenta inevitavelmente o peso do conjunto. Porém, o tempo perdido por conta desse aumento de peso será menor que o gasto para trocar uma câmara. Obs.: Inspecione sempre o estado de sua fita antifuro; com o passar do tempo, ela fica dura e pode até provocar furos na câmara, em vez de evitá-los.

4) Fiscalize a pressão: Muita gente exagera na dose, achando que o pneu precisa estar com 120 ou até 140 lbs de pressão. Em tubulares, chegam a colocar 180 lbs! Essas medidas até têm efeito benéfico em locais onde o asfalto é perfeito. Ou seja, quase nunca. Experimente pressões mais baixas e aumente até alcançar o ponto ideal entre rendimento, conforto e tração. Isso pode transformar a sua experiência sobre a bike, proporcionando muito mais prazer e segurança. Use sempre um pouco menos de pressão na frente do que atrás, devido à distribuição de peso, que numa bike é sempre maior na traseira em proporções diferentes — entre 5% e 10% a menos. Mulheres devem usar ainda menos pressão nos pneus, já que são, geralmente, mais leves.

5) A opção dos pneus largos: Embora difíceis de encontrar no Brasil, pneus com uma superfície maior, com 25 ou até 28 mm de largura, oferecem mais conforto e estão cada vez mais similares aos tradicionais no quesito performance. Alguns modelos garantem altíssimo desempenho com o uso da mesma pressão que um mais estreito — nesse caso, com um pouco de aumento na resistência no rolamento, mas maior conforto. Pneus mais largos permitem também rodar com pressões mais baixas, opção interessante para o ciclista que enfrenta estradas em condições ruins ou mistas, com trechos de terra batida.

6) Passe talquinho: Coloque talco na câmara e dentro do pneu. Essa medida diminui o atrito entre ambos, o que reduz a resistência ao rolamento. Além disso, facilita a troca, pois evita que a câmara fique grudada no pneu. Para distribuir bem o talco na câmara, há uma dica simples: coloque um pouco do talco dentro de um saco sem furos (senão vira uma nuvem de talco pela casa) e coloque a câmara com pouca pressão dentro do saco; feche bem e sacuda, vigorosamente, por umas quatro ou cinco vezes. Aguarde alguns segundos e remova a câmara do saco. Ela estará perfeitamente recoberta pelo talco, e sem espalhá-lo pela casa. Aproveite para fazer isso nas câmaras reservas e coloque-as em pequenos sacos plásticos dentro da bolsa de selim ou na camisa. Por fim, não se esqueça de limpar o talco, no caso de um remendo.

7) Não abuse da frenagem: No momento de usar os freios, cuidado. Não passe do ponto. A camada de borracha está longe de ser uma muralha. Assim, o excesso de fricção pode desgastar o pneu rapidamente e aumentar os riscos de furo ou estouro.

8) Esvaziar é sempre bom: Na hora de guardar a sua bike, os pneus merecem um cuidado especial, especialmente com a pressão. Tire um pouco de ar (em torno de 40% da pressão). Isso evita a dilatação e a perda de desempenho. Contudo, não guarde os pneus totalmente vazios, sob o risco de causar rachaduras.

9) Rodízio esperto: Faça o rodízio dos pneus dianteiro e traseiro, a fim de aumentar a sua vida útil. Como a experiência já deve ter te ensinado, o pneu traseiro tende a desgastar antes do dianteiro. Não existe quilometragem exata para o rodízio. O ideal é fazer isso assim que o pneu traseiro estiver mais “plano” que o dianteiro. Nunca passe para a roda da frente um pneu demasiadamente gasto. Um pneu nesse estado deve ser substituído, e não se fala mais nisso.
*Matéria publicada na Revista VO2Max edição 76 - janeiro de 2012

Comente este artigo...