.:Capital do país não dá exemplo no uso de bicicletas

Cidade plana, clima seco a maior parte do ano, vias largas e proximidade entre as residências, os comércios e os equipamentos públicos. Assim é Brasília. Seu traçado urbanístico único a torna perfeita para o morador usar a bicicleta nos pequenos trajetos. Mas não é isso que acontece. E os motivos são muitos. Começa na falta de políticas públicas de mobilidade urbana voltada para meios de transporte que não o carro. E é também um problema cultural. A maior parte da população nem sequer cogita a possibilidade de adotar a bike como meio de transporte, ainda que seja para ir somente até a padaria da esquina.
Também é verdade que o mesmo traçado urbano que convida ao uso da bicicleta é um inimigo dela. A própria concepção das ruas de Brasília não levou em consideração a magrela como parte do trânsito. Projetada a partir do que existia de mais moderno no mundo em conceito de urbanismo, Brasília foi gerada para privilegiar os automóveis. Está lá bem claro na explicação do urbanista Lucio Costa: “E houve o propósito de aplicar os princípios francos da técnica rodoviária — inclusive a eliminação dos cruzamentos — à técnica urbanística, conferindo-se ao eixo arqueado, correspondente às vias naturais de acesso, a função circulatória tronco, com pistas centrais de velocidade e pistas laterais para o tráfego local, e dispondo-se ao longo desse eixo o grosso dos setores residenciais”.

Comente este artigo...