.:Capacete de bicicletas com luzes de segurança integradas


Capacete é sinônimo de proteção. Seja em uma moto ou em uma bicicleta, é indispensável o uso desse importante equipamento de segurança. Mas se você é daqueles que acredita que segurança nunca é demais, precisa conhecer um conceito de capacete com luzes integradas.

Estamos falando do Blink, um capacete que já ganhou até um importante prêmio de Design em 2010, mas ainda não saiu do papel e nem há previsão se isso deve acontecer ou quando o produto será lançado ao consumidor final.

O conceito de capacete é revolucionário e emite alguns alertas luminosos, aumentando consideravelmente a segurança do usuário, principalmente durante a noite ou em ambientes escuros, como um túnel.

O projeto prevê que o capacete seja equipado basicamente por três luzes -- uma na parte de trás e outras duas nas laterais. Os alertas laterais são como as setas dos carros, indicando que você vai virar para esquerda ou direita. Para ativá-los, tudo que você deve fazer é tocar nas lâmpadas para ligar ou desligar a seta.

Na teoria, o Blink pode ser uma excelente ferramenta de proteção avançada para bicicleteiros. Mas na prática, será que o conceito realmente funciona? Será que porque você deu seta os outros veículos vão te respeitar e deixá-lo virar? É algo a ser pensado e que, antes de tudo, é necessário educação no trânsito por parte dos motoristas -- algo que, infelizmente, é raro no Brasil e em muitos países.

Outro problema que pode ser notado facilmente são as luzes de seta na lateral. A visualização para os veículos de trás, que é quem realmente precisa ver o sinal, está numa angulação bastante desprivilegiada. E os problemas não param por aí: para acionar as setas, você precisa tirar uma mão do guidão, comprometendo a sua segurança.

Antes do conceito sair do papel, os engenheiros responsáveis pelo Blink terá que realizar alguns testes e adaptar o projeto.

O Blink pode até ser mais seguro que os capacetes convencionais, mas seu uso requer alguns cuidados extras. Esperamos que o conceito se torne realidade, mas com esses e outros problemas corrigidos.

Comente este artigo...